Carrinho de Compras

* Calcule seu frete na página de finalização.

* Insira seu cupom de desconto na página de finalização.

21/08/2021

Rayssa Leal é Prata em Tóquio.

A fadinha do skate, como ficou conhecida Rayssa Leal, após os seus vídeos fantasiada de fada fazendo manobras quando tinha apenas 8 anos de idade, se tornou a medalhista brasileira mais nova a conquistar a medalha de prata nas Olímpiadas em Tóquio desse ano, dentro da modalidade de skate street.

Rayssa Leal com apenas 13 anos chegou no patamar de Leticia Bufoni e Pamela Rosa, campeãs mundiais que foram de grande inspiração para ela quando mais jovem. Ambas apoiaram a fadinha durante a competição, no qual conquistou a prata com 14,64 pontos. Mommi Nishiya pontou 15,26 levando o ouro e o bronze ficou com Funa Nakyama com 14,49.

A performance de Rayssa foi ótima desde a primeira rodada, onde ficou entre as três melhores pontuações, no final o movimento acabou não se completando mas isso não a desanimou de nenhuma forma, representou a cena do skate feminino sorrindo o tempo todo, torcendo por todas e no final causou emoção com sua conquista.

Outro diferencial da sua apresentação no skate street em Tóquio foi o tênis Nike SB pro model  que ela usou e que logo menos vai chega aqui no Brasil, hoje Rayssa estampa o site inicial da marca com o a campanha “Novas Fadas” que são kits inspirados na fadinha.

A menina prodígio impressionava muito antes das olímpiadas, em 2019 na Street League Skatebording, Rayssa disputou e venceu uma das etapas do campeonato, pontuando muito bem em todas manobras e batendo o feito de pessoa mais nova a alcançar esse prêmio. Logo depois, na final do SLS em São Paulo, ela conquistou o segundo lugar, dividindo o pódio com mais uma brasileira: Pâmela Rosa, campeã da disputa.

Tão nova e tão grande, após sua medalha de prata nas olímpiadas, Rayssa Leal relata que fica muito feliz com toda a inspiração que ela traz paras as meninas, independentemente da idade, a entrarem para o universo do skateboarding, ressaltando a importância de mulheres ocuparem espaços que antes diziam que não as pertenciam.